No dia 3 de Dezembro de 2009 celebra-se o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência.

Esta efeméride tem como objectivo contribuir para a sensibilização e compreensão das questões relacionadas com a deficiência, e os benefícios que resultariam da sua integração em todos os aspectos da vida política, social, económica e cultural. Estes benefícios não se reduzem ao próprio: todos nós sairemos a ganhar, pensemos nisso.

Nestes dias soube que os brasileiros utilizam a palavra excepcional para designarem deficiente. O conceito excepcional inclui a diferença (ser excepcional é ser diferente da maioria) mas retira-lhe a conotação pejorativa que muitas vezes se associa à mesma. De facto podemos aprender muito com as pessoas –  com todas –  e sobretudo com aquelas que partindo em desvantagem (e tendo que ultrapassar tantos obstáculos) conseguem viver  bem e integrados nesta sociedade pensada para pessoas comuns. Já repararam quantos prédios e até edifícios públicos não têm acesso para pessoas com deficiência? Imaginam o quão deve ser difícil ser integrado no mercado de trabalho? A força de vontade que têm de ter para não desistir?

Com certeza as pessoas com deficiência têm de ser excepcionais, têm de ser mais persistentes, mais audazes, mais empenhados, mais criativos, mais fortes, mais corajosos, mais resistentes, mais concentrados, mais atentos e sobretudo mais tolerantes com a nossa indiferença, esquecimento ou, ainda mais grave, com os nossos preconceitos (mesmo o preconceito do “coitadinho”).

 AFL